quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Ademar Lazzarotto: Organização, competência e respeito

Uma entrevista com Ademar Lazzarotto, o organizador que já havia resolvido parar com os rodeios e que em 2016 voltou única e exclusivamente para fazer a Vacaria, nossa copa do mundo. 
Hoje com 64 anos de idade, Gremistão e natural de Bento Gonçalves, porém reside em Caxias do Sul. Comerciante e pai do Vinicius de 32 anos, Guilherme de 28 e Rafaella de 21.

Ademar conviveu com gineteada cerca de 17 anos, já iniciou com uma certa idade, por volta dos seus 38 anos, portanto já com uma certa experiência e uma curiosidade, nunca foi ginete, um caso raro entre os organizadores de gineteada.



1. Como se tornou um organizador de rodeios e gineteada?

Aqui em Caxias tinha um grupo de cavalgadas Amigos da Tradição e a patronagem do Campo dos Bugres pediu ajuda ao grupo para organizar o rodeio, Nós pegamos a gineteada para organizar, e fizemos mudanças radicais na mesma, tipo ginete passava no teste de bafômetro antes de cada montaria, jurados mostravam a nota na hora com placas iguais as provas do freio de ouro, o rodeio Campo dos Bugres era muito forte deu carro e motos como prêmios, eu fazia parte do grupo e acabei tomando gosto pela gineteada.

2. Tem ideia de quantos rodeios já organização?

Sinceramente não tenho certeza, mas vou citar alguns, Campo dos Bugres, Vacaria, Rio Negrinho em SC, Caverá em SC, Praianos em SC, São Marcos, Flores da Cunha, Vila Oliva e por este tenho um carinho especial pois fui o projetista da cancha tirando da cancha do laço, e claro  FORQUETA, que foi o mais pesado de todos, pois era eu para organizar todo o rodeio, mais de 100 ginetes, neste rodeio o ginete tinha duas montas para classificar para as finais, sem cobrar nada e fornecia refeição e cama com ajuda de custo. Ginete nacional mais de 100 km de distância recebia R$ 100,00 ginetes internacionais recebia U$$ 100,00, nunca mais vai ter algo parecido.

3. Qual o rodeio deu mais prazer em ver andando bem?

Forqueta disparado, pena que durou pouco.

4. Onde o porque resolveu para r com os rodeios?

Resolvi parar foi no Campo dos Bugres exatamente onde comecei, tinha pessoas envolvidas na campeira que não eram sérias ai fica ruim de trabalhar.

5. Por que voltar na Vacaria? 

Na verdade meu parceiro narrador Nilson Hoffmam me ligou falando que o afilhado dele estava como patrão da campeira e tinha tido problemas no rodeio de 2014, que a maioria sabe do ocorrido, não vou criticar nenhuma pessoa pois não estava no rodeio, claro que tive que me socorrer de um amigo para poder aceitar falei com o Jaques Bastos ele aceitou o desafio, e assim organizamos acho eu que com sucesso a copa do mundo da gineteada.

6. como foi o desafio da Vacaria?

A pedido do Nilson relutei em aceitar mas como dizer não a um amigo de anos dentro das canchas? Assim depois do aceite do amigo Jaques Bastos começamos a moldar o rodeio sempre no meu sistema de isentar os convidados de pagamentos. Fizemos um etapa de classificatória que montaram 100 ginetes para sair 20 para juntar-se aos convidados a etapa teve mais de R$15,000,00 em prêmios sendo um sucesso em poucos dias completamos os 100 ginetes.
Claro que pedi ajuda dos amigos ginetes  para não ter nada que tirasse o brilho da festa, fiquei muito feliz com o comportamento de todos.

7. Quais homens mais ginetes o senhor teve o prazer de conviver?

Vou citar alguns, sempre corro risco de deixar algum de fora, desde já peço desculpas.
Volmir de Paula, Valdomiro de Paula, Ricardo Pinto (Anão) , Julio Gaborgui, Ivan Ribeiro, Alionso Gonçalves, Reno Villagran, João Maria de Lima Neto, Silvio de Paula, Darci Rento Petim, Francisco dos Santos, Luciano Rolante, Mauro Saraiva Junior, Ramon Cordobá, Jorge Raul Aristegui,  Jairo Porciúncula Mendes, Fábio Oliveira, Cássio Gonçalves, Felipe Felix , Artur Padilha e Rafael Safons.

8. Pretende ainda volta a frente de algum evento?

Não, acho que já dei a minha colaboração para com a gineteada.

9. Já deixou seu legado, mas o que deixa de recado aos iniciantes?

Deixo meu "conselho" os mais novos, tanto ginetes como organizadores.  
Ginetes: sempre que tiver a oportunidade de ser convidado para um rodeio comportamento de convidado é o que se espera de todos, se for convidado e achar que inscrição esta cara ou tropas não são as melhores não vá depois de aceitar não adianta resmungar e criar tumulto nas festas.

Organizadores: Cada um tem seu modo de fazer as coisas, eu sempre batalhei pelos ginetes para que não cobrassem inscrição muito cara, tem organizadores que tiram vantagem em cima dos ginetes e dos donos dos rodeios.

10. O que o senho enxerga para o futuro da gineteada?

Complicado falar pois se não bastasse ter gente de má conduta no meio ainda por cima tem estas Ong's e o Ministério Público querendo acabar com tudo que envolve animais mau sabem que os aporreados estariam todos mortos se não tivesse os rodeios.

11. Nos deixe alguma história de regalo:

Uma história de rodeio foi no último Campo dos Bugres  na cancha antiga, domingo a tarde final da gineteada as notas eram mostradas nas placas e nas ultimas montas o Anão e o Julinho empataram, o Patrão Dr. Pisoni  ficou maluco, - e agora? disse ele, eu disse calma que eu resolvo, pedi ao narrador para chamar os dois ginetes para falar comigo eles se aproximaram de mim eu pedi que se apertassem as mãos, eu coloquei a minha mão por cima e falei empatou vamos dividir o prêmio? concordaram, e o Anão me falou eu sou tri campeão do Campo dos Bugres entregue o troféu de campeão ao Julinho atitude que nunca mais vou esquecer. Grande abraço a todos do mundo da gineteada.

12. Com relação aos julgamentos, o que acha?

Este problema na gineteada é antigo, no tempo que eu organizava tentei de tudo cinco avaliadores descartando as notas mais altas e as mais baixas, eu particularmente gosto disto pois fica um meio termo que pode ser o justo. Tentei notas mostradas na hora com placas iguais as provas do freio de ouro. Sempre tive uma vontade de ouvir quem vai fazer o show os ginetes tipo assim indique quem você gostaria que julgasse tal concurso de gineteada? Nunca pude fazer pois os rodeios ou tinham afinidade e amizade com este ou aquele juiz, ou outras vezes para não gastar pegavam qualquer um. Não é coisa fácil de resolver pois tem muitos (Interesses como diria o Brizola no meio da coisa).





Jaques Bastos, Tropilheiro

Falar do Seu Ademar pra mim é fácil pois ele é muito mais que um amigo, e nossa amizade já dura quase 20 anos. 
Trata-se de um homem sério, de respeito e de caráter ímpar.
O pouco que entendo de organizar rodeios, devo a ele que sempre organizou eventos memoráveis, sempre tratando a todos com muita educação, respeito e honestidade. Na minha opinião ele é um dos melhores organizadores de rodeios do Rio Grande do Sul,  sem nunca ter pensado em levar alguma vantagem onde quer que fosse, adquirindo assim o respeito de todos os ginetes com quem conviveu ou não. Ele esteve à frente dos maiores rodeios do estado como o Rodeio Nacional do Campo dos Bugres, Rodeio Nacional de São Marcos, Rodeio Nacional de Flores da Cunha, Rodeio de Vila Oliva, Criúva,  Rodeio Internacional de Forqueta e Rodeio Internacional de Vacaria, rodeio esse que eu tive o privilégio de estar organizando ao lado dele nesse ano de 2016 e, diga-se de passagem esse foi uma reunião espetacular das melhores tropilhas e os melhores ginetes dos últimos tempos. 
Na minha humilde opinião Seu Ademar, junto com sua competência e honestidade, está fazendo muita falta para o mundo dos rodeios.

Daniel Pithan, Tropilheiro

Conheci o seu Ademar Lazzarotto quando ele e o Pedrinho Orso realizavam o Rodeio da Forqueta, lá pelo ano de 1998, um rodeio com uma visão totalmente nova do que até então se realizava no Brasil, valorizando a gineteada no todo, ginete, cavalo e o público. Um amante da gineteada, amigo, simples, homem de palavra e que tem o respeito de todos. Sempre trabalhou na organização da gineteada de diversos rodeios de forma abnegada, sem lucrar nada que não fosse a satisfação de ver o melhor possível realizado. Espero que não se despeça da organização dos eventos como já anunciou e que sirva de exemplo para quem quer ver uma gineteada bem organizada.


Artur Padilha, Ginete

Minha opinião seu Ademar é uma pessoa que eu gostaria que existisse  muitos outros iguais à ele. Uma pessoa séria e correta com as atividades em que se envolve em nosso meio da gineteada.

















www.facebook.com/marca.dolaco

www.facebook.com/marca.dolaco

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

O mais aguardado do ano: Garrão do Pampa

Aconteceu nos dias 21,22 e 23 de Outubro de 2016 na cidade de Santa Vitoria do Palmar o 7° Garrão do Pampa.

Contanto com excelente organização de Conrado Amaral, Pedro Terra, Luciano Silveira, Pedro Rotta, Matheus Cabreira, César Maceira e Francisco Amaral.

Os melhores profissionais e tropilhas foram convidados a fazerem parte da festa e atenderam ao pedido, todos em alto nível, desde tropilhas até o pessoal de trabalho.

Capataz de Campo: Lúcio Terra.
Jurados: Claiton Silva e Pedro Ribeiro.
Narradores: Fernando Alves, Patrick Freitas e Xiru Azambuja.

Tropilhas:
Guabijú - Alegrete; Minuano - Herval; Rincão dos Potros - Arroio Grande; Floresta - São Gabriel; Garrão de Ouro - Santa Vitória do Palmar; Matreira - Canguçu; Padroeira - Santa Vitória do Palmar e
Mansa - Alegrete.

Premiação de R$ 20.000,00 dividida para os 5 primeiros colocados.

113 ginetes para 113 cavalos.

Classificatória: 113 montarias, 33 campanas, 3 Voltas de Honra e nenhum cavalo se repetiu.

Semi Final: 7° Garrão do Pampa 

Adelino Neto x Flexilha - Guabijú (Campana);
Junior Ribeiro x Veterana- Guabijú (Campana);
Felipe Batista x Marreca - Guabijú (Campana);
Andrei Borges x Boneca - Guabijú (Sem campana );
Lucas Peres x Maragata - Guabijú (Sem campana );
Celmar Santos x Posteiro - Guabijú (Sem campana);
Carlos Nenel x Limão - Minuano (Sem campana);
Cristiano Jardel x Balconeiro - Minuano (Sem campana);
Felipe Félix x Arueira - Minuano (Campana);
Wilian Borges x Pajador - Minuano (Campana);
Francisco Neto x Araça -Minuano (Campana);
Bruno Viana x Abrorro - Padroeira (Campana);
João Francisco x Cabana - Padroeira (Sem campana);
Cristiano Silva x Seu barriga - Matreira (Sem campana);
Anderson Martins x Bico duro - Matreira (Sem campana);
Fernando Guimarães x Coima -Matreira (Sem campana );
Wesley Keeps x Nego touro - Matreira (Campana);
Alex Clavijo x Bagacero -Floresta (Campana);
Antônio Homero x Milongueiro - Floresta (Sem campana);
João Garcia x Porrete - Floresta (Sem campana);
Rafael Pereira x Espoleta - Floresta (Sem campana);
Fernando Alencastro x Conhaque - Garrão de Ouro (Campana);
Daniel Martins x Vagabunda - Garrão de Ouro (Sem campana);
Mikael Alves x China Linda - Garrão de Ouro (Sem campana);
Diego Lima x Santa Eulália - Mansa (Campana);
Thaian Rosa x Fantasma - Mansa (Sem campana);
Luis Daniel Fernandes x Tormenta - Mansa (Sem campana);
Matheus Cabreira x Madrugada - Mansa (Sem campana);
Phelipe Tadeu x Carqueja - Rincão dos Potros (Sem campana);
João Vítor Grassoti x Bagunça - Rincão dos Potros (Sem campana );
Klismam Moreira x Divorciado - Rincão dos Potros (Sem campana );
Rafael Lima x Marcela - Rincão dos Potros (Sem campana);
Marcone Teixeira x Canha Morna - Rincão dos Potros (Sem campana).

Semi Final 33 montarias 11 campanas.



Final: 7° Garrão do Pampa

Francisco Neto x Raposa - Guabijú (Sem campana);
Felipe Félix x Brigadiano - Guabijú (Campana);
Willian Borges x Assombro - Floresta (Sem campana);
João Francisco x Sossego - Floresta (Sem campana);
João Garcia x Esperança - Mansa (Sem campana);
Celmar Dos Santos x Tormenta - Minuano (Sem campana);
Adelino Neto x Comissário - Matreira (Sem campana);
Bruno Viana x Dobradiça - Matreira (Sem campana);
Fernando Alencastro x Combate - Rincão dos Potros (Campana);
Alex Clavijo x - Mariposa - Rincão dos Potros (Sem campana).


Campeões:

1° Fernando Alencastro - Camaquã - R$ 10.000,00
2° Felipe Felix - Caçapava do Sul - R$ 4.000,00
3° Adelino Neto - Palhoça - 3.000,00
4° Alex Clavijo - Santa Vitória do Palmar - R$ 2.000,00
5° Bruno Viana - Santa Vitória do Palmar - R$ 1.000,00

* Os 5 premiados já ganham inscrição par próxima edição.

Fernando Alencastro x Combate (Campeão)




Histórico do Garrão do Pampa:

1° Edição: 2010

1° José Bernardo;
2° Rodrigo Ávila;
3° Willian Borges;
4° Ricardo Terra;
5° João Francisco.

2° Edição: 2011

1° Jeferson Oliveira;
2° Rafael Safons;
3° Junior Gonçalves;
4° Matheus Cabreira;
5° Silvio Correia.

3° Edição: 2012

1° Pierre Rocha;
2° Rafael Safons;
3° Felipe Felix;
4° Miller Fernandes;
5° Luan Farias e Junior Gonçalves.

4° Edição: 2013

1° Renato Langoni (in memoriam )
2° Felipe Felix;
3° Leonardo Marques;
4° Rodrigo Ávila;
5° Adalmir Arruda.

5° Edição: 2014

1° Bruno Soares;
2° Fabio Martins;
3° Renato Petim;
4° Alex Clavijo;
5° José Bernardo.

6° Edição: 2015

1° Felipe Felix;
2° Bruno Viana;
3° Felipe Batista;
4° Cristiano Jardel;
5° Paulo Piedras.

Entrevista com um dos organizadores:

Conrado Amaral - Santa Vitória do Palmar

1. Qual a gratificação em fazer esse evento ? 

Conrado: Saber que estamos mantendo acessa a nossa tradição, mesmo em tempos difíceis pra tudo, conseguimos organizar um evento do tamanho que se tornou o nosso Garrão do Pampa.

2. Como se sente sendo o Rodeio mais bem avaliado do ano? 

Conrado: Satisfação imensa, é uma recompensa que recebemos de todo nosso esforço e que nos da mais vontade de seguir organizando o GP. Estamos  todos de parabéns, tropilheiros, ginetes, narradores, jurados e a todo nosso pessoal que veste a nossa camisa e que tem comprometimento  com o  que fazem sejam eles  campaneiros, amadrinhadores, capataz de campo, marombeiros, puxadores de cavalos, palanqueiros , assador e cozinheiro.

3. Quais a dificuldades? 

Conrado: Acho que a maior dificuldade é o arrecadamento de verbas para se fazer um grande evento, para tudo que vai se fazer tem dinheiro no meio. Por isso sempre agradeço aos nossos patrocinadores e apoiadores que sem eles não chegaríamos aonde estamos.

4. Como são os preparativos?  

Conrado: Durante o ano fizemos junções e trocamos ideias com amigos, vimos o que deu certo e o que pode melhorar. Cada um de nós é responsável por alguma área para então ser cobrado, e é o que tem dado certo. Já passamos bastante trabalho mas hoje sabendo dos atalhos está tudo mais tranquilo, mas sempre acontece o imprevisto e dai temos que estar prontos .



Comentários:

Fabio Martins Gandaia, Ginete

"Um dos melhores rodeios do Estado, único que da valor aos ginetes e cuidados, tem os melhores cavalos do Estado".

Ricardo Terra, Ginete

Acredito que seja o melhor rodeio da atualidade, pois reuni os melhores ginetes e cavalos e as condições pra ambos são perfeitas.
Lá se trata muito bem o pessoal de fora e acredito que isso tenha contribuído pra o rodeio chegar nesse patamar, todo mundo se sente em casa.
Quem vai uma vez volta sempre!

Leonardo Marques, Ginete

Garrão do Pampa é o Rodeio que mais respeita e valoriza o Ginete.
Começando pelas Inscrições que não são caras para concorrer por um prêmio muito bom, não temos custo algum para entrar no parque e o Garrão ainda fornece o almoço e a janta para todos os Ginetes.
Sempre buscam os melhores cavalos, melhores avaliadores e sendo assim por mais que seja um rodeio longe faz com que compareça ginetes de todo canto do Brasil, Argentina e Uruguai.
Eu considero o Garrão do Pampa nos dias de hoje o melhor Rodeio de gineteadas que existe e este ano de 2016 mesmo foi um rodeio DIFERENCIADO.

Pierre Rocha, Ginete

Rodeio bom, pois os cavalos são bons e o custo de inscrição não é caro.
Prêmio bom, bem dividido e dos poucos rodeios onde ganhamos alimentação e entradas em festas.

Fernando Alves, Narrador (Participou de todas edições)

Acredito que o grupo de amigos idealizadores deste projeto nem eles imaginariam que chegaria  na dimensão que este evento chegou, Garrão hoje é referência em festa de gineteada no estado e também fora dele, tudo que o ginete espera de um rodeio la se encontra, hospitalidade, prêmio bom, cavalos de grande nível, inscrições a preço acessível enfim, uma organização impecável, e ainda pra quem gosta de festa lá é diferenciado, me sinto honrado em poder ter participado de todas as edições, tenho um carinho, respeito e admiração por aquele povo e pelo evento, Garrão do Pampa não é só diferente, é único.


Claiton Jardel Silva (Dula), Avaliador (Participou de todas edições)

Só tenho que dar os parabéns aos organizadores dessa baita festa, que se chama Garrão do Pampa. Nesses 7 anos de existência, tive o privilégio de ser convidado para julgar todos, 5 anos eu e o Médico veterinário Renato Morrone o Digo, e este ano Foi eu e Meu amigo Pedro da cidade de Herval. Este rodeio é hoje um dos melhores do estado  na minha opinião, onde se encontram os melhores ginetes e os melhores cavalos que eu vi nos últimos tempos, sem falar nos custos pra quem participa. Todos ginetes que ganharam foram nomes diferentes sendo que tu nunca sabe quem vai ser o campeão, por isso O Garrão do Pampa é Diferente!

Humberto Monks, Tropilheiro

Exemplo de rodeio, onde ginetes e tropilheiros são tratados com respeito.

Alex Clavijo, Ginete

Falando em Garrão do Pampa ou GP de gineteadas, como muitos ginetes dizem. Podemos dizer que esta festa é uma festa com a alma jovem, digo isto pois essa idéia de fazer um rodeio diferente veio de uma conversa de uma gurizada nova que ama a gineteada, uns por ginetearem e outros por gostarem. Esses guris abraçaram a causa percebendo que Santa vitória do Palmar-RS ficava de fora do calendário dos grandes rodeios, não foram modesto em pensar de como buscar uma inovação para o rodeio, buscar algo com diferenciações reais, como ótimos cavalos, prêmio bom, um tratamento especial pros ginetes. Partindo desses princípios, hoje conseguem levar as melhores tropilhas com os cavalos mais respeitados,  o prêmio é um baita valor em dinheiro desde o primeiro ao quinto lugar bem dividido, no que se refere ao tratamento pros ginetes, ganha comida almoço e janta, recebe uma pulseira de livre acesso ao parque assim como as baladas do Garrão, os 5 ginetes premiados não pagão inscrição no próximo ano, para se ter idéia do que esse rodeio representa hoje para os ginetes, na última edição as inscrições abriram as 8h da manhã e já estava encerrada as 15h algo muito raro de se ver em qualquer outro rodeio, montaram no rodeio na fase classificatória 113 ginetes, só foi cumprida 33 campanas , na semifinal 11 campana cumpridas, na final de 10 só 2 campanas uma cavalhada pesada, rodeio pra se vencer gineteando. Acredito que trabalhem diretamente pra esse rodeio acontecer mais de 50 pessoas, sem falar nas famílias desses guris que vestem a camisa do rodeio e muitos abrem as portas de casa pra receber ginetes que vem de longe de perto de tudo que é lugar, hoje tem gente que sai no norte do Paraná e desce até o extremo sul do País pra ir no rodeio do Garrão do Pampa. Mais o segredo deste sucesso todo, acredito que seja o fato desses guris fazer o rodeio sem pensar em obter lucro algum, todo o dinheiro arrecadado por eles durante o ano é exclusivamente para fazer o rodeio, sem ganharem 1 real se quer, isto é fazer algo realmente por amor a tradição!!! Por isso que quando se houve"  Porque aqui é diferente" essa frase tem sentido, Porque o GARRÃO do PAMPA é diferente mesmo!!!















     

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

5° Rodeio Nacional de Criuva

De 08 a 11 de Dezembro aconteceu o 5° Rodeio Nacional de Criuva - Caxias do Sul, RS.

Aos cuidados e organização de Raul Bittencourt e Gabriel Brito, foram 40 ginetes inscritos, sendo que das 40 montarias da classificatória se teve 16 campanas.

Tropilha:
Costera, Osório, de Luciano Rolante e Jomar Souza.

Capataz de campo:
Luciano Rolante - Osório

Avaliadores:
Gabriel Brito;
Roberson Abadie;
Joner Mendonça;
Israel Garcia.

Melhor Cavalo:
Maluco

Final:

Everson Carboneira x Correntino (Campana) 
Leonardo Marques x Terremoto (Campana) 
Lucas Parizotto x Russo (Campana) 
Renato Vieira x Palanque (Campana)
Mikael Alves x Capataz (Campana)
Pedro Varela x Nega Maluca (Campana)
Luan Gabardo x Malagueta (Sem campana)
Felipe Baptista x Maluco (Sem campana)
Reinaldo Viera x Praiana (Sem campana)
Tizio x Cruz Alta (Sem campana)

Campeões

Everson Carboneira - Gravatai - R$ 5.000,00
Leonardo Marques - Florianópolis, SC - R$ 2.000,00
Lucas Parizotto - Vacaria - R$ 1.000,00
Renato Vieira - Capão da Canoa - R$ 1.000,00
Mikael Alves - Capão da Canoa - R$ 1.000,00






















segunda-feira, 12 de dezembro de 2016

DELEGAÇÃO BRASILEIRA: FESTIVAL NACIONAL DE DOMA Y FOLKLORE - Jesús Maria, Córdoba - Argentina

Delegação Brasileira




Rogério Villagran 

Rogério Villagran ocupa a posição de delegado pelo segundo ano, sendo o responsável por organizar e conduzir a delegação Brasileira, antes e durante as 10 noites do festival. Rogério é um profundo conhecedor da gineteada, tendo por muito tempo sido domador e alguns anos montado na categoria BASTO. Na sua função, lhe cabe agir pelo integridade da delegação e seus ginetes, estando sempre presente na hora do sorteio, na escolha das pilchas, bastos, gurupas e esporas de clina. Lhe cabe contestar e interferir sempre que for preciso, em casos que possam prejudicar a apresentação de algum ginete da sua delegação, assim estando sempre junto no palanque, atento ao regulamento e decisões tomadas pela comissão organizadora do festival. Atualmente como jurado, tem sido avaliador em diversos rodeios do estado do Rio Grande do Sul e também fora dele.



Renô Villagran 

Renô Villagran, atua como Sub-delegado, ginete experiente que por muitos anos na categoria CLINA, representou o Brasil em Jesus Maria, tem como posto a função de sub-delegado. O sub-delegado, ou delegado suplente, também tem como obrigação interferir e estar atento ao regulamento do festival, sendo ele o principal responsável pela delegação em caso da ausência do delegado titular. Renô Villagran, carrega em sua bagagem, bem mais que os anos de representação Brasileira neste festival, mas também uma larga história nos campos de gineteadas do Brasil, Uruguai, Argentina e Chile.






Francisco Macedo Solé

Apelidado de Chicão, 27 anos e natural de Rio Grande.
Chicão admira muitos ginetes com estilos diferentes, prefere não citar nomes pra não cometer nenhum equívoco, mas julga que na vida de um ginete acima do TALENTO está o CARÁTER.

Modalidade: 
Gurupa Surena.

Comecei a montar com 15 anos com apoio e parceria dos meus irmãos, sou formado em Medicina Veterinária há 4 anos. Moro e trabalho com a minha família no campo na região do Taim.

Principais títulos:
Circuito Universitário 2015;
Expofeira Bagé 2016;
Campeão e vice campeão encontro tropilhas de Quarai 2016;
Campeão etapa de Uruguaiana Universitário 2015;
Campeão etapa de Jaguarão Universitário 2015.

Expectativa pra Jesús Maria? 
Sente-se honrado em ir representar a nossa pátria em um Festival tão único e tão lindo que é Jesús María. Espera corresponder às expectativas de todos, fazendo o melhor possível em cada cavalo que montar, ressalta Chicão.

Planos e metas e sonhos:
Pretende seguir morando e trabalhando no Taim e quer aproveitar e desfrutar dos bons momentos da vida ao lado da Família e dos amigos.
Seria lindo se palavras como: Respeito, Honra e Dignidade não ficassem só no papel, talvez seja por aí o início da reforma que o nosso País tanto necessita.
É necessário humildade e gratidão nas vitórias e força e perseverança pra enfrentar as derrotas. E no mundo dos rodeios a Amizade tem que estar acima de tudo, inclusive da gineteada, Ressalta Chicão.





Marcio Goulart de Oliveira 

Apelidado de Patija, 32 anos e natural de Bagé.
Patija tem admiração por Fredi Gatica em basto e Ramon Cordoba em gurupa.
Iniciou sua carreira como ginete aos 16 anos, atualmente trabalha de capataz de estância e doma.

Modalidade: 
Basto.

Principais títulos:
Bi campeão Conesul;
Campeão corcovo e coragem São Gabriel;
Campeão 93.

Expectativa pra Jesús Maria? 
É o segundo ano que vou consecutivo, espero andar bem la, estou preparado pra isso.
Ginetear lá é sempre um aprendizado, relata Patija.

Planos e metas e sonhos:
Ginetear nos grandes festivais de gineteada do Brasil, Argentina e Uruguai.
Primeiro de tudo ter humildade, respeitar todos, ser amigo de todos e respeitar todos os tipo de cavalos que for montar, relata Patija.






Wilian Lacerda Borges

Apelidado de Iquinho, 28 anos e natural de Rio Grande.
Ikinho tem como seus ídolos Darci Renato Petim e Gercison Pinheiro Machado.
começou sua carreira como ginete aos 16 anos, sempre ouviu as pessoas que queriam lhe ajudar de uma maneira ou outra, cita alguns, tais como Rafael Ávila (Tropilha Malagueta), Ronaldo Terra (ginete), Daniel Vargas (ginete), Jeferson Oliveira (ginete), Carlos Arrieche (grande amigo e Ginete).
Atualmente vive totalmente do rodeio, e nos dias de semana faz esporas e freios.  

Modalidade: 
Crineiro.

Principais títulos:
Cabanha los amores (Rio Grande);
ETA (Viamão); 
Queixo Duro Internacional Hermena (Santa Vitória do Palmar);
Rolantche Internacional;
Encontro cultural de ginetes (Vacaria);
Universitário de Don Pedrito;
Expoativa (Pedro Osório);
Rodeio Internacional de Canela;
Rodeio crioulo de Caxias do sul;
Caverá (Araranguá);
Rodeio Internacional de Campo Bom;
Rodeio Internacional de Osório;
Semana crioula de Bagé;
Garrão do Pampa;
Herval do Sul (Herval).

Expectativa pra Jesús Maria? 
Representar nosso Brasil o melhor que puder, alegrar todos os brasileiros. 
Me sinto bem, por que seguidamente vou pra Argentina e gosto muito de montar lá. Com a graça de Deus e de todos que gostam de mim vai dar tudo certo pra toda a equipe, relata Ikinho.

Planos e metas e sonhos?
Meus planos é seguir montando por vários anos ainda, por que sou feliz com o que faço. E meu maior sonho é poder premiar um carro por que assim o venderia e com o dinheiro Montaria minha ferraria com todo que tem direito. Já tive por várias e várias vezes por ganhar mas acredito que ainda não era pra ser o meu.
Acho que principalmente temos que acreditar em nós mesmos e sempre ter muito respeito, humildade, sinceridade e muita perseverança, nos conta Ikinho.







Ricardo Rotta Terra Filho

Apelidado de Pancho Terra, 25 anos e natural de Santa Vitória do Palmar.
Pancho Terra tem por seus ídolos todos seus amigos e familiares do meio da gineteada, ou não, todos sempre tem algo que incentivam as pessoas e nos tornam mais fortes.
Estudante de Zootecnia na UFPEL, atualmente Presidente do Circuito Gaúcho de Rodeios Universitários e nas horas vagas "domador".
A gineteada entrou na sua vida aos 16 anos, foi criado pra fora sempre na lida e tem duas pessoas que são de grande importância para o ponta pé inicial (João Francisco Terra Cardozo e José Bernardo Terra Cardozo) eles que o incentivaram em quanto uma parte da família era contra. 

Modalidade: 
Suplente.

Principais títulos:
Modalidade Gurupa Sureña
Campeão Internacional de Jesus Maria 2014;
Campeão Da Semana Crioula de Bagé 2014;
Campeão Universitário de Pelotas 2012;
Bi Campeão Universitário de Bagé 2015 e 2016;
Modalidade Pelo
Campeão do rodeio "El Relincho" Uruguai;
Campeão da semana farroupilha de Arroio grande 2014;
Campeão contraponto Universitário 2010 Uruguaiana, 2012 alegrete.

Expectativa pra Jesús Maria? 
 É uma honra voltar aquela terra acompanhado de amigos que fiz ao longo dessa caminhada. Espero que nossa passagem por la seja de muitas alegrias e glórias, e que possamos corresponder a expectativa de todos, relata Pancho.

Planos e metas e sonhos?
Acabar a faculdade acredito que seja o primeiro, mas volta e meia fica de segundo pois a gineteada é um vicio. Tenho como sonho que um dia nós possamos dar valor as pessoas envolvidas na gineteada que vem sendo deixadas cada dia mais de lado, mas acredito que ter fé e perseverança nos seus sonhos e desistir jamais... Relata Pancho.







Everton Souza Marita

Natural de Barra do Quarai, atualmente morando em Uruguaiana.
La Rural Fotografia - Vai acompanhar a delegação no Uruguai e realizar um documentário diário de tudo que se passa com nossos ginetes.

Everton já tem 6 anos de fotografia, saiu do campo para a fotografia. Foi ginete, domador, já trabalhou em estância e cabanha.
Quando iniciou seu trabalho o foco era a gineteada, mas com o excelente trabalho se cresceu e evoluiu.
Marita tem muita influência no mundo do cavalo crioulo, e acabou recebendo convite para fotografar varias cabanhas além da ABCCC.













sexta-feira, 9 de dezembro de 2016

Felipe Alves Felix: Garra, força e dedicação

"Escola não foi seu forte... porque ele fugia dela para ir montar os pôneis na propriedade de Osvaldo Ilha", entrega D. Nidia Alves, a orgulhosa mãe de Felipe Alves Felix, o Negão. Nascido e criado em Caçapava do Sul pela mãe, sempre gostou de cavalos. Morou perto de uma chácara na cidade, chamada chácara da Frida, onde um senhor chamado Luis Galvão tinha alguns burros que Felix aproveitava para montar - apesar de não ter bota, nem bombacha, nem nada, mas assistia as gineteadas nos rodeios e a vontade só crescia. Começou a ginetear montando em tonéis, pneus e depois em mulas. Abandonava a escola para ir até a chácara da Frida sozinho para aprender a ginetear, iniciando naquilo que ele faz melhor. Com 15 anos começou a montar profissionalmente em Caçapava, e em uma dessas oportunidades estava Reinaldo Menezes, que e o viu montando e resolveu investir no garoto, levando a um rodeio em Porto Alegre, no parque da Harmonia. Negão achava que não tinha condições ainda, mas Reinaldo acreditou no potencial do menino e o levou: ganhou sua primeira moto, nos conta JB Guasqueiro.

Muito dedicado, cuida bem da saúde, humilde... a vida de Negão é a gineteada - e tudo que adquiriu foi através da gineteada. Hoje tem sua própria chácara, onde tem sua própria hotelaria e centro de doma. Além de ser um cara que sempre busca prêmio, também é organizador do rodeio de Caçapava. "Além disso, vai fazer uma monta do bem em beneficio a Ascai, casa de amparo aos idosos", nos conta JB Guasqueiro, o Batista de Caçapava do Sul. "Lembro dele pequeno, atando um lenço, sempre teve a tradição gaúcha consigo", completa D. Nidia. Tradição essa vinda de berço: seus avós foram muito tradicionais, a começar por seu bisavô Orlando Alves, conhecido como um dos melhores carreiristas da região, e também seus avós Adão Alves e Celeste Maciel, que sempre o o incentivaram. "Lembro de uma excursão onde a professora o levou para Manoel Viana e por la sumiu... foram achar o Felipe no meio dos cavalos com pessoas totalmente desconhecidas, totalmente à vontade.", lembra a mãe. E completa: "nós dois somos muito apegados, muito por sermos só nós... mesmo ele morando na chácara não ficamos muito tempo longe, e eu acompanho ele pelas redes sociais o tempo inteiro, e sempre que posso estou junto." 

Felix x Fuzileiro (Trop. Maleva)

Felix tem 28 anos e uma filha, Elisa, de 4 anos, e continua com ela a tradição iniciada com os avós. "Quando era adolescente sempre ia aos rodeios com meu avô e ficava encantado olhando as gineteadas... e ficava pensando: um dia vou ser igual a eles,um dia vou ser ginete. Fui incentivado pela minha família e pelos meus amigos", relata o ginete. E conseguiu: campeão de 2 carros e 20 motos, um feito e tanto para a idade. O primeiro carro veio aos 24 anos na cidade de Herval, em 2012 e o segundo em Jaguarão. Além dos prêmios, coleciona alguns invictos, como Maria Moura da Tropilha da Grota, Roleta da Tropilha da Floresta, El Víbora (na Argentina) e Japecanga da Tropilha Maragata. Totalizando 7 desafios neste ano, na Argentina e Uruguai, se sagrou vitorioso em 6 - apenas a monta da Mayonesa, que foi muito esperada, não teve êxito, sendo derrubado aos 7 segundos. "Égua que deve ser respeitada” relata Felix. 

Para ele, os melhores ginetes da atualidade são: Pierre Rocha, Francisco Neto, Leandro Bittencourt e Rafael Safons, e seus ídolos são Roniran Ortiz, Reno Villagran e Ivan Ribeiro. Os rodeios mais citados são Garrão do Pampa e Morada do Sol. Entre os títulos mais importantes e que mais marcaram sua carreira foi quando ganhou seu primeiro carro, mais a semana Criolla del Prado. "No prado foi um titulo que da terça-feira em diante liderei o campeonato e mantive toda a semana na ponta. Não foi fácil, devemos estar bem psicologicamente pra aguentar a pressão de um campeonato como o do Prado, pois é uma semana de gineteada”, orgulha-se o ginete. Na atual temporada Felix coleciona muitos títulos além deste do Prado: Morada, vice campeão do Garrão,  Universitário de Pelotas, Rodeio do Camaro, Lagoa Vermelha e vice campeão do Rodeio da Maleva, no Paraná. O faturamento da temporada tem sido aproximadamente R$ 60.000,00, uma boa fase. 


Humilde, defende ser esse o segredo do seu sucesso, aliado à simplicidade e o respeito com o próximo. Mas a dedicação é fundamental. "O meu sonho de rodeio, assim como de muitos ginetes  é ganhar o rodeio da Vacaria e o animal que ainda quer se topar é a famosa Raposa da Tropilha Guabiju", planeja ele. Sua rotina fora dos rodeios é a lida diária com cavalos crioulos e seus planos para quando parar de montar, é focar e se dedicar  única e exclusivamente no treinamento de cavalos crioulos. E termina a prosa com um recado para quem admira seu trabalho e para os novos ginetes: "Nunca desistam de seus sonhos, porque um verdadeiro campeão é aquele que cai, mas segue sempre com a cabeça erguida, um bom campeão não vive somente de bons momentos." A história de Felix está aí para comprovar essa fala. 



Leandro Bittencourt, Ginete
Falar do Félix e até um orgulho! Uma cara ginete, dedicado e profissional! Acredito eu um dos maiores da atualidade por muitos anos! Um cara que nunca deixou a fama subir pra cabeça sempre sendo o mesmo de sempre amigo de todos e sempre sendo bem quisto por onde passa por todos! Pra mim ele é uma lenda da gineteada com um currículo invejável onde parou quase todos cavalos mais duros que temos hoje aqui e além disso tudo e um amigo fora do comum.

Francisco Neto, Ginete
Falar do Felipe pra mim significa meu incio de uma fase importante da minha vida, sempre conheci o Felipe em rodeio e nas finais importantes de rodeio sempre sendo o mesmo, acompanhei sua vitoria no prado pelo radio e até hoje acredito e ganhou sobrando o Prado. 
Apenas tenho a agradecer ele pelo dias os quais convivemos de eterno aprendizado pois no 1° encontro Cultural Farroupilha de gineteada em Charqueadas quando peguei um cavalo complicado de lida na semi ele com toda sua simplicidade me chamou e do jeito dele disse, - deixa que eu te ajudo nego véio, isso pra mim foi uma coisa que não sai da minha cabeça. Naquele momento pensei o campeão do prado vai me ajudar, é sonho de qualquer ginete da minha idade ou seja, quem não queria ser ajudado pelo seu ídolo no esporte que vivemos?!
Pra mim ele hoje é numero 1 com respeito a todos ele ta sobrando, mas não somente em termos de gineteada ele ta numa fase ótima da vida e como pessoa em tudo se dedica muito, nas suas domas, em tudo é um exemplo como pai, devo muito a ele irei concluir meu comentário sobre o Felipe com uma frase que ele sempre gosta de dizer...
"Seja sempre o mesmo e tudo que hoje passou ficou pra trás, amanhã vida nova"

Joner Mendonça, Avaliador  e organizador
Conheci o Felipe no início da carreira, montando em São Sepé, e já era notório o talento dele, logo nos encontramos no rodeio de Porto Alegre, e eu comentei que já havia visto ele montar e que ele iria "incomodar", nesse rodeio, ele classificou para a final, e ganhou a primeira moto, montando a égua mais difícil do rodeio, Aporreada Chakira da Tropilha da Floresta. Hoje o Felipe é referência fora do País, e chegou na maturidade física e técnica, e no momento na minha opinião é o ginete mais completo na modalidade pêlo, tanto no Brasil, como Argentina e Uruguai.

Patrick Freitas, Narrador
O nome que todo mundo já conhece á muito tempo na gineteada, eu mesmo já tive o prazer de narrar varias boas montarias, volta de honra, campeão de rodeio. Presenciei montas históricas, que mostra toda sua diferença quando ta no cavalo, pra quem olha até parece ser fácil, talvez ate pode ate atrapalhar na hora do julgamento, por estar sempre muito bem sentado as vezes não conseguimos ver a dificuldade imposta pelo animal, muito ciente do que esta fazendo, no momento a fase é dele, se tiver um ginete que se destacou esse ano foi ele, não é sorte, é trabalho duro, pois se dedica e sempre buscou o topo e acredito que tenha chego lá.











segunda-feira, 5 de dezembro de 2016

6º Espora Solidária - Santa Maria

28º Rodeio Crioulo CTG Sentinela da Querência / 6º Espora Solidária

Nos dias 03 e 04 de Dezembro aconteceu na cidade de Santa Maria o 6º Espora Solidária de gineteadas, paralelo ao 28º Rodeio Crioulo CTG Sentinela da Querência.
Evento este que tem um diferencial, toda a renda arrecadada na portaria nos dois dias do evento e em uma venda de rifas são revertidas para duas entidades assistenciais da cidade, sendo elas: Casa Maria e Escola Francisco de Lisboa que prestam um grande serviço à pessoas com necessidades especiais e que estão passando por tratamento médico.
A parte da gineteada é coordenada por Jôner Mendonça, que contou com o apoio fundamental dos Tropilheros, Bira Alves Tropilha Enredo de Caçapava do Sul e Alvin Quadros Tropilha Entreveiro de Bagé.
Foram disputadas duas modalidades, Gurupa Sureña e Pêlo.

                         Ruiva (Trop. Entreveiro)


Categoria Gurupa Sureña:

1º Lugar - R$ 700,00
Anderson Santos (Pelotas )
2º Lugar - R$ 300,00
Kaique Pires (Santana do Livramento)

Categoria Pêlo:
1º Lugar - R$ 700,00
Leonardo Rocha (São Sepé)
2º Lugar - R$ 300,00
Juliano Rocha(São Sepé)

Avaliadores: Roberson Abadie (Seco), Fábio Marinho e Pablo Costa.
Narração: Raul Bittencourt.

Leonardo Rocha (Campeão), Roberson Abadie (Avaliador) e Juliano Rocha vice campeão. 

sexta-feira, 2 de dezembro de 2016

Habilidade, persistência e humildade: Rafael Safons (Baby)


Rafael Safons, conhecido também como Baby, filho da dona Neida e do seu Orlando, paparicado pela avó Irma Ferreira, pela tia Cacau e noivo de Laura Lugarini.
Criado e ainda morando na Vila Nova no Alegrete, Baby é um recordista de prêmios. Com apenas 29 anos de idade, já possui 4 carros, 23 motos e muitos prêmios em dinheiro na carreira vitoriosa.

Uma das particularidades de Baby, que é extremamente lidador, campeiro de fato, lida com gado e entende muito de cavalos mansos, não apenas de aporreados.

Carreira iniciada deste cedo nos rodeios, aos 16 anos, incentivado pela mãe e montando por “brincadeira” em marcações de gado. Nesta época foi morar em São João Batista (SC) com o veterinário - e notável juiz de rodeios - Glenio Pereira (hoje falecido), e naquelas bandas também conheceu seu primeiro e grande professor de rodeios Rodrigo Silva (Xiru), dono da “Tropilha Aparecida”. Logo depois já iniciou sua história em rodeios com Alex Ribas (Xuxa).

Em 2011 sofreu uma lesão na cartilagem peito, ao bater na cerca, mas parou poucos dias. Em 2015 em um rodeio no Paraná, uma égua se “planxou” e lhe quebrou o pé em 7 lugares, ficando 9 meses parado. Após retornar participou de 5 rodeios, em Santa Maria caiu na semifinal, em Charqueadas sagrou-se campeão, no Paraná ficou em 5° lugar, em Piratinga caiu na semi novamente e no Garrão do Pampa caiu na classificatória.
Agora no mês de novembro apartando potros na mangueira, estava a cavalo e se pechou com outro animal e sofreu uma nova lesão, uma luxação na canela.  NÃO é grave, pois logo já estará voltando, em dezembro já inicia tratamento para fortalecimento.



Rafael Sofons x El bico Blanco (Trop. Lá Serena de Beruti)

Entre os títulos mais importantes de sua carreira, destaca-se o de Vacaria (Carro); Jaguarão (Carro); Santa Maria - Espora solidária (Carro); Morada do Sol (Carro); Osório; premiação por 3 anos na Semana criolla del prado (URU); Conesul; Praianos.

Baby diz que temos atualmente grandes reservados pelo RS, ressaltando o “Esperança” de Diego Lima, “Maluco da Costera” de Luciano Rolante e Jomar Souza e “Raposa da Guabiju” de Talles Guerra, Raposa que considera um “sonho particular” se topar.


Baby coleciona invictos, e tem convicção que o melhor animal que já montou foi o Combate, sendo 4 vezes, parando em 3 e caindo 1.
Tirou o invicto de uma égua que fez fama na modalidade de Gurupa Trasnochera da Tropilha Minuano, Feiticeira , Patrício, Maragata, da Tropilha Guabiju, Maluco, da Tropilha Costeira, El Pampa, Negrita e Pirata da Tropilha da Grota, Lá Tômbola, Entonado, Manguita, Esperança da Tropilha Setenta, Sossego e Santa Clara da Tropilha da Floresta, Arroto da Tropilha Maleva, La Pimienta do Leon (Uruguaio), Ruiva da Tropilha Gaucho Batovi, Curunilha da Tropilha Minuano, dentre outros. 

Dentre os ginetes da atualidade, Baby destaca Felipe Felix, Francisco Neto (Tizio) e Willian Borges (Gago), além de seus ídolos Fabio Oliveira, Renato Petim e Renato Fagundes.

Sua rotina diária é ferrar cavalos, atividade que não pretende abandonar, além de lidar com os animais e participar apenas de rodeios onde a gineteada seja valorizada.

O que lhe move a buscar evolução dentro da gineteada é simplesmente a adrenalina de montar em um cavalo brabo e a vontade de vencer desafios. Também sonha em montar o rodeio de Jesus Maria.


Afirma que o segredo para o sucesso é simplicidade aliado a humildade, e ressalta que não devemos desistir de buscar nossos sonhos, sejam estes quais forem.
Baby sabe do que fala, ele nunca desistiu e “Buscou” seus próprios sonhos. Com simplicidade, humildade e muito talento.



Reservado Ibirapuitã


Alex Ribas (Xuxa), Tropilha Praiana

Pessoa de fundamento com os amigos, ginetes, família e Humilde.
A sua família, sem comentários, pai, mãe, vó, tia...Hospitaleiros, de família humilde e nunca perdeu a humildade. Uma grande pessoa que qualquer tropeiro quer ao seu lado ou um amigo.


Laura Lugarini, Noiva

Estamos juntos há pouco mais de 1 ano, mas nos conhecemos há 6 anos. Desde sempre o admirei como pessoa e como ginete, por sua humildade e caráter.
O Rafael é super dedicado e focado nos seus objetivos, talvez por esses motivos tenha conquistado tudo o que tem através da gineteada...Não é somente "sorte", é resultado de esforço! Além de tudo, me incentiva a ser sempre melhor. Eu sou muito grata por ter uma pessoa como ele ao lado todos os dias, sou sua fã numero 1 e continuo torcendo e incentivando ele a fazer aquilo que ama e faz de melhor.

Darci Renato Petim, Ginete

Grande pessoa e ginete, um amigo, merecedor de todos os títulos já conquistados e ainda ganhará muito mais, um exemplo a ser seguido.

Heitor Lugarini, Tropilha Maleva

Ao mesmo tempo que é muito fácil falar do que é bom é muito difícil. Pra mim Messi da gineteada...
Uma mistura de muito mas muito talento e habilidade com muta humildade...Rafael Safons se resume em um grande homem do bem... Um homem a cavalo!
"Nem melhor nem pior, simplesmente diferente".

Patrick Freitas, Narrador

Rafael Safons, " O gurizinho da Alegrete", pessoa de educação extrema, muito profissional na parte da gineteada, com visão que poucos tem, tanto da gineteada em si, quanto o que ta fazendo na hora, ginete de muito recurso, prova disso é a quantidade de cavalos diferentes que já parou, campeão de praticamente todos os lugares onde passou, Narrei montarias dele histórica, Maluco na final de Lagoa Vermelha, já viajamos muito juntos, inclusive para o Mato Grosso, e também tive a infelicidade de ser o narrador na hora que se machucou em Campo Largo, mas por outro lado tive o prazer de narrar o seu retorno no mesmo estado alguns meses depois.
Sempre torço por ele e desejo saúde, melhoras e retorno breve.

Leonardo Leote, Ginete


Um cara bueno, amigo, companheiro de rodeio e viagens, ginete por excelência sabe fazer um cavalo fraco pular, é firme quando pega um cavalo duro de parar, prestativo na hora de ajudar um amigo no palanque.


Raul Bitencourt, Narrador


Pra mim é me remeter a o 29°Rodeio Internacional da Vacaria, eu estava à frente da organização da gineteada e consequentemente narrando e tive o privilégio de narrar todas as montarias que lhe deram o título. Mas não só pelo ginete, pois é um caráter incrível um cidadão, um amigo dos amigos, tenho inúmeras passagens com ele pelos rodeios a onde ele sempre se mostrou um grande ginete mas acima de tudo um homem de princípios. O que na minha opinião o torna um dos ginetes mais queridos entre todos.